Tolerância de atraso no trabalho: como funciona?

Capa do blog tempo de tolerância de atraso

É impossível conseguir chegar e sair todo dia certinho no horário de trabalho especificado, afinal, existem vários motivos que podem modificar a jornada até o trabalho. E é justamente por isso que existe uma tolerância de atraso no trabalho.

Sendo assim, o Parágrafo 1º do Artigo 58 da CLT estipula que variações de tempo de até 5 minutos não devem ser computadas como atraso ou horas extras, desde que não ultrapassem o limite diário de 10 minutos. Como assim? 5 minutos? Mas o limite é de 10? Oi?

Bom, para esclarecer essas e outras dúvidas, falaremos dos pontos:

  • Como funciona o tempo de tolerância no trabalho
  • E se o funcionário ultrapassar a tolerância?
  • Exemplos de funcionamento
  • Dúvidas frequentes
  • Como lidar com um funcionários atrasados
  • Descomplique a gestão de jornada de trabalho

Sem atrasos, vamos lá.

Como funciona a tolerância de atraso no trabalho

Na verdade, as regras do tempo de tolerância não são tão confusas quanto parecem, só precisamos olhar parte por parte. 

Em primeiro lugar, o funcionário tem uma flexibilidade de 5 minutos para registrar seu ponto. Podem ser 5 minutos antes ou depois, na chegada, saída ou intervalos, o importante é não ultrapassar este valor. 

Agora, a soma de todas as variações no dia não podem ultrapassar 10 minutos no total. Nesse sentido, todos os pontos (que avulsos não podem passar de 5 minutos) são somados, e essa soma não pode ser maior que 10.

E se o funcionário ultrapassar essa tolerância?

Quando o registro do ponto acontece além do limite de 5 minutos estipulado, tudo é contabilizado como tempo extraordinário e a tolerância deixa de existir

Por outro lado, se os atrasos avulsos (na entrada, no intervalo e na saída) somados ultrapassarem 10 minutos, todos eles serão contabilizados. Mesmo que sozinhos eles estivessem no limite de 5 minutos.  

Para ilustrar, vamos observar juntos alguns exemplos.

Exemplos

Funcionária Fernanda. Entrada 8h – Intervalo 12-13h – Saída 17h

Tabela com exemplos de ponto para ilustrar o tempo de tolerância no trabalho
  • Dia 1: Observe como Fernanda chegou um pouco atrasada no início do expediente e também na volta do intervalo. Mas em nenhuma das duas vezes o tempo foi superior a 5 minutos, e a soma dos dois claramente não chega aos 10 minutos. Então, nesse caso, as duas variações não serão contabilizadas.
  • Dia 2: Ela chegou 1 minuto adiantada no trabalho. E também saiu 4 minutos depois do horário do expediente. Nem o limite avulso, nem o limite diário foram ultrapassados, então sua jornada continua normal.
  • Dia 3: Nesse caso, a Fernanda saiu 4 minutos depois do horário para o seu almoço, e também ficou 9 minutos a mais antes de ir para casa. Além de ter ultrapassado o limite de 5 minutos na saída do trabalho, a soma dos dois momentos ultrapassa o limite diário de 10 minutos. Sendo assim, esses 13 minutos deverão ser contabilizados como hora extra, ou banco.
  • Dia 4: Esse dia foi um pouco mais conturbado. Fernanda chegou 5 minutos atrasada no trabalho, demorou 5 minutos a mais no intervalo do almoço e saiu do trabalho 4 minutos antes do horário. Em nenhum momento os 5 minutos foram ultrapassados, mas, somando, são 14 minutos de atraso. Ou seja, o limite diário de 10 minutos foi ultrapassado, sendo assim, esse tempo é considerado falta.

Perguntas frequentes

Existem alguns mitos e verdades que circulam o tempo de tolerância de atraso no trabalho. Vamos falar sobre eles agora!

Então a tolerância de atraso de 15 minutos no trabalho é mito?

Sim! É bem comum ouvir por aí que existe uma tolerância de 15 minutos para chegar atrasado no trabalho. Só que isso é um boato, e você pode sim ser prejudicado por chegar 15 minutos atrasado.

Posso impedir meu funcionário de trabalhar caso ele ultrapasse a tolerância para atraso?

Não, nunca. O empregador não pode impedir o registro do ponto do funcionário, e nem impossibilitar o seu trabalho. Caso faça isso, o empregador pode enfrentar ações judiciais e ser obrigado a pagar o dia que o funcionário foi impedir de trabalhar, além de indenização por danos morais.

Existe limite de dias para que o funcionário use a tolerância?

Explicitado pela lei, não. Mas isso não significa que o funcionário possa utilizar isso como desculpa para atrasar, por exemplo. 

Chegar atrasado muitas vezes consecutivas, de forma indiscriminada, pode configurar desídio – ou seja, falta de responsabilidade e compromisso por parte do funcionário.

Meu funcionário pode trabalhar alguns minutos a mais para compensar os minutos que chegou atrasado?

Não existe compensação de horário por conta própria. Dessa forma, a compensação de horários deve sempre ser acordada diretamente com a empresa.

Como lidar com funcionários atrasados?

Quando se fala em medidas a se tomar quando o funcionário está com uma alta taxa de atrasos, a principal ação mencionada é o desconto do salário. 

Apesar de ser muito comum, será que essa é sempre a melhor forma de lidar com essa situação?

Vale refletir que o seu funcionário é um ser humano, com problemas e batalhas próprias, que vão além do trabalho. Ainda que o que acontece fora do horário de expediente não seja de sua responsabilidade, entender que isso pode afetar sua produtividade é um ato humano. 

Antes de fazer descontos, chame seu funcionário para uma conversa, tente entender o que está acontecendo. Veja bem, não estamos dizendo que você deve fazer uma sessão de terapia com ele. Mas, desse modo, você encontra a razão do problema e pode tomar providências a partir daí.

Entender porque o funcionário não está engajado na empresa, comparar as taxas de atraso e de entrega e abrir um diálogo transparente com ele são passos importantes, que podem resolver conflitos e melhorar a produtividade do mesmo. 

Por outro lado, se tudo isso for feito e o funcionário continuar com problemas de atraso, não há muito o que fazer. Existe uma diferença entre atrasar as vezes e não ter comprometimento com o horário. 

Seja como for, cada caso é um caso, e por isso é importante analisá-los separadamente.

Descomplique a gestão de jornada

Além do tempo de tolerância, a gestão de jornada tem vários outros detalhes e desafios, e por isso ela deve sempre ser feita de forma eficiente e sem erros. 

Sendo assim, conte sempre com uma solução digital de gestão de ponto 🙂

Fica muito mais fácil controlar as faltas, horas extras e banco de horas quando se tem as informações de ponto dos seus funcionários de forma clara e recebidas em tempo real.

Por isso, conte com a TiqueTaque para ser sua solução de gestão de jornada! Além do aplicativo com geolocalização para registro de ponto, temos nosso relógio próprio e o melhor: tudo centralizado em um software, em tempo real, pronto para você gerenciar. 

Ficou com alguma dúvida sobre o a tolerância de atraso no trabalho? Comenta aqui, vamos conversar (:


A TiqueTaque é uma solução intuitiva e moderna para gerenciamento de ponto e jornada de trabalho. Desenvolvemos um relógio de ponto próprio, compacto, baseado em Internet das Coisas, e que junto com o nosso Aplicativo e Software de Gestão resolvem de ponta a ponta a gestão de ponto no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image