o que e controle de ponto
Por: Natalli Krissa
outubro 31, 2019

Controle de ponto: o que é e como funciona [GUIA]

Afinal, o que é controle de ponto? Bom, em resumo, controlar o ponto é fazer o monitoramento dos horários de entrada, saída, intervalos e horas extras dos funcionários. 

Ainda que isso seja verdade, sabemos que pode não ser tão simples assim na prática, não é?

Então, para que você termine esse texto sabendo tudo sobre controle de ponto, vamos falar sobre:

  • O que é controle de ponto
  • Vantagens de fazer gestão de jornada
  • Tipos de controle de ponto
  • Controle de ponto manual
  • Relógio de ponto eletrônico
  • Controle de ponto digital
  • Diretrizes para o registro de ponto
  • Como escolher o melhor tipo de controle para sua empresa
  • Convencendo gestores e funcionários resistentes

Tudo preparado? Então vamos lá 🙂

O que é controle de ponto?

A gente falou no começo, que controle de ponto é o acompanhamento dos horários de jornada de trabalho do funcionário. Porém, essa é a definição abreviada dessa prática.

O controle de ponto, na verdade, serve para realizar a gestão de jornada e de pessoas na empresa. 

E a gestão de jornada traz informações super interessantes: pontualidade, horas trabalhadas e taxas de absenteísmo são informações importantíssimas para ajudar a gerir um negócio, e também dizem muito sobre o engajamento e motivação dos funcionários. Afinal, uma empresa é feita por pessoas 😉

A seguir, vamos falar um pouco mais sobre os benefícios de ter uma boa gestão de jornada na sua empresa.

Vantagens de se fazer gestão de jornada

O controle de ponto, quando feito corretamente, traz vários benefícios para a empresa, desde a parte financeira até a produtividade de funcionários. Os principais pontos positivos são:

  • Acompanhamento de banco de horas: é fazendo um controle eficiente de ponto que se sabe exatamente quantas horas adicionais o funcionário trabalhou, o que foi para banco, quanto esta pessoa tem para compensar e em qual prazo este banco precisa ser fechado.
  • Maior controle de horas extras: se a sua empresa é adepta à hora extra, o controle de ponto é o que vai dar suporte para realizar o cálculo do valor adicional que será pago ao funcionário.
  • Administração financeira aprimorada: sabendo quantas horas o funcionário trabalhou efetivamente no mês resulta no pagamento justo e exato de seu salário no final do mês. Além disso, aquele susto no final do mês com o valor que deverá ser pago por horas extras não acontece mais, considerando elas passam a ser acompanhadas durante o mês todo.
  • Evita multas e processos trabalhistas: Grande parte dos processos trabalhistas atualmente têm relação com o pagamento incorreto das horas trabalhadas, das horas extras e a falta de compensação do banco de horas. Com um controle de ponto eficaz, as chances de algum desses pontos estarem incorretos na sua empresa diminuem, e muito.
  • Segurança para todo mundo: tanto a empresa quanto o funcionário são amparados pelo controle de ponto. O funcionário fica tranquilo que está recebendo o que merece, além de ter como comprovar o que foi trabalhado caso não receba corretamente. Por outro lado, a empresa também pode comprovar a frequência do funcionário e se defender judicialmente, caso necessário.
  • Gestão de produtividade: se os funcionários não estão chegando no horário combinado, vale entender se há algum problema de engajamento ou comprometimento. Além disso, como o controle de ponto permite o acompanhamento do número de horas extras e banco de horas realizados, e, suponhamos que o número seja alto, talvez seja momento de aumentar ou remanejar sua equipe para que ela dê conta da demanda, sem ser sobrecarregada.

Tipos de controle de ponto

Existem várias formas de registro de ponto, então vamos falar sobre cada uma delas para te dar toda a informação necessária para que você faça a melhor escolha para a sua empresa. Vamos lá?

Controle de ponto manual

Essa é a forma mais simples (e às vezes bem antiga) de registro de ponto.

Dentro desse formato existem outras subcategorias, como por exemplo o famoso livro ponto. Um livro grande, de capa dura, onde todo dia os funcionários anotam o horário que chegaram, assinam ao lado, anotam o horário de saída, e novamente assinam ao lado.

Outro exemplo de controle manual é a planilha: impressa ou digital. Nesse formato, há uma tabela em branco em que os funcionários seguem o mesmo formato de anotações diárias que o livro ponto. 

Também há o cartão ponto manual, que funciona da mesma forma que os anteriores, mudando apenas o seu formato: um cartão retangular pequeno, com uma tabela para ser preenchida e assinada pelo funcionário.

Por último, temos a forma manual porém mecânica de registro, é a origem da expressão “bater o ponto”: o relógio cartográfico, aquele que o funcionário coloca um cartão em uma máquina gigantesca que faz um pequeno furo marcando a presença.

Apesar de muito comuns, esses formatos de controle de ponto são consideravelmente ineficazes, inclusive a planilha. Afinal, a gestão manual deixa espaço para muitos erros, e até mesmo adulterações. 

Desse modo, é preciso sempre que uma pessoa fique responsável por fechar estes pontos, somando, deduzindo e atribuindo as horas manualmente. Isso dá margem para muitos erros que podem se refletir na folha de pagamento e até levar a processos trabalhistas.

Relógio de ponto eletrônico

Em 2009, a Portaria 1510 veio para começar a modernizar as formas de controlar o ponto. A partir dela, os registros puderam começar a ser feitos em aparelhos eletrônicos, os famosos relógios de ponto.

Desta forma, além de facilitar a coleta do ponto, reduziu-se as chances de adulterações.  Entretanto, os relógios de ponto tradicionais precisam seguir algumas diretrizes, como por exemplo:

  • Entrada USB para retirada das informações de ponto
  • Bobina de papel para impressão do comprovante de registro
  • Display mostrando a data e hora, inclusive minutos e segundos
  • Armazenamento definitivo de informações, que devem ser impossíveis de modificar ou até mesmo excluir.

Desde a criação desta portaria, os REP evoluíram em pouquíssimas coisas. São equipamentos caros, pesados, necessitam instalação e uma parede inteira para isso. 

Fica complicado para o funcionário guardar os comprovantes de registro de ponto, pequenos papéis impressos que teoricamente têm valor legal, mas que na prática poucos guardam. Além disso, o fechamento do espelho ponto em muitos casos ainda são feitos de forma manual após a extração das informações dos REP, o que cai novamente na questão de erros que podem passar despercebidos quando o processo é feito desta forma.

E é aí que a inovação entra mais uma vez, para tornar as coisas ainda mais práticas, claras e assertivas.

Controle de ponto digital

Pulando para 2011, a Portaria 373 chega finalmente para trazer mais inovação, permitindo a criação de formas alternativas de controle de ponto: digitais, com dados sendo salvos em softwares de gestão e sistema de nuvem. 

Além disso, se tornou muito mais fácil atender a uma exigência da nova geração de funcionários: o home office. Essa forma de ponto permite o registro através de aplicativos e aparelhos de ponto digitais, o que facilita o acompanhamento da jornada mesmo que o funcionário não esteja fisicamente no mesmo lugar que os gestores. 

Os maiores benefícios dessa forma de registro são:

  • Maior transparência: a possibilidade do funcionário poder acompanhar seu banco de horas, horas extras e ter contato com a quantidade exata de horas trabalhadas no dia
  • Ainda mais redução de erros: o fato das informações serem enviadas para a nuvem e gerenciados em um software de gestão de pessoas torna os dados muito mais confiáveis e precisos
  • Sem sustos com a folha de pagamento: o gestor passa a ter contato direto com as horas extras que estão sendo feitas, dando maior controle de gerenciamento.

Diretrizes para o registro do ponto

O controle de ponto – eletrônico ou digital – é obrigatório para empresas com mais de 20 funcionários. Na realidade, o limite anterior era de 10 funcionários, mas isso mudou com a Lei da Liberdade Econômica homologada em setembro de 2019.

Apesar de não ser obrigatório para empresas menores, muitas delas optam por realizar o controle de ponto da mesma forma, porque como vimos ele está totalmente ligado à gestão. Afinal, organização, segurança e eficiência são fundamentais nas empresas.

Com o intuito de proteger o trabalhador, há algumas práticas que são proibidas quando o assunto é gestão de ponto dos funcionários. Confira a seguir:

  • Impedir o registro. A legislação é bem clara com relação a isso: o empregador não pode exigir que o funcionário faça a marcação de ponto apenas no horário de jornada regular, para não marcar horas extras ou banco de horas. O registro deve acontecer nos horários de saída e entrada reais.
  • Marcação de ponto automática. O ponto deve ser sempre registrado pelo funcionário, tanto no horário de entrada como no de saída, com exceção para os intervalos que poderão ser pré-assinalados.
  • Alterar ou eliminar dados de ponto do funcionário. O que foi registrado não pode ser alterado em nenhuma hipótese.

Todo funcionário é obrigado a fazer o registro do ponto?

Na realidade, há exceções com relação ao controle de ponto. Funcionários que exercem um cargo de confiança, como gestores e diretores, não precisam realizar o registro. 

Pessoas nessas posições têm maior autonomia no trabalho, e assim entende-se que não há necessidade de acompanhar a jornada diária realizada por eles e da mesma forma, neste caso, não se aplicam as regras de banco de horas e horas extras.

Como escolher o melhor controle de ponto para a minha empresa?

Bom, em primeiro lugar você precisa traçar os objetivos a serem alcançados com o controle de ponto. Você pretende deixar a marcação de ponto mais segura? Mais eficiente? Reduzir custos de hora extra no final do mês?

Em segundo lugar, você precisa conhecer o perfil do seu colaborador. Por exemplo, não adianta escolher uma solução que funciona apenas com o aplicativo, se o seu funcionário não tem um smartphone para utilizar. 

A TiqueTaque, por exemplo, conta com o relógio biométrico próprio, o que atende todas as necessidades de diferentes públicos de funcionários. 

Agora, em terceiro lugar, você precisa entender quais funcionalidades você precisa para realizar uma gestão de jornada eficaz. Relatórios completos automáticos, fechamento de espelho ponto simplificado, acompanhamento em tempo real de horas extras e banco de horas, são apenas algumas das funcionalidades disponíveis em soluções de ponto digitais.

Por último, mas não menos importante, conheça a marca da solução. Verifique suas avaliações em redes sociais, procure saber como funciona o atendimento e suporte dessa empresa. 

Muitas das marcas disponíveis no mercado fazem um bom atendimento de venda, mas não dão o suporte pós-venda que é necessário para a adaptação com o sistema, e até mesmo para ajudar eventuais problemas que possam aparecer. Em outras palavras: bons para vender, mas nem tanto em manter o suporte após a contratação.

Convencendo gestores e funcionários resistentes

Nem sempre a ideia de inovação e aprimorar o controle de ponto na empresa vem de cargos de gerência, até porque quem está no dia a dia da operação sabe melhor do que ninguém como melhorar a eficiência.

Além disso, também existem funcionários que resistem à ideia de fazer o registro de ponto por sentirem sua privacidade invadida, como se estivessem sendo vigiados. 

Vamos conversar agora sobre como lidar com essas situações.

Chefe, vamos ser mais eficientes!

Uma boa forma de abordar a questão com gestores é utilizando o argumento da economia. Quando mexe no bolso, a dor fica mais latente. 

Então, explique como o controle eficiente de horas extras vai evitar gastos exacerbados nessa questão, e que isso reduz o aumento de orçamento necessário para pagar as folhas salário. 

Além disso, o acompanhamento do banco de horas dos funcionários evita que haja excessos, e assim fica mais fácil organizar o calendário de folgas para compensação desse banco. 

Dessa forma, o banco de horas sempre é compensado dentro do prazo limite, o que evita a necessidade de fazer a remuneração dessas horas.

Fugindo um pouco da questão orçamentária, vale argumentar como o registro de ponto traz mais segurança, organização e permite uma análise comportamental de funcionários. 

O tempo economizado em fazer o controle manual, pode ser remanejado para realização de projetos, criação de estratégias, e até mesmo para aprimorar conhecimentos e habilidades referente a sua função.

Registro de ponto não significa falta de confiança

O principal motivo de resistência para fazer o registro de ponto é que os funcionários se sentem vigiados. 

Empresas que têm uma cultura mais livre e de confiança com os funcionários podem perceber a estranheza deles quando é proposto a gestão de jornada. 

Mas para que isso não aconteça, é necessário que os gestores tenham uma comunicação aberta e franca com os funcionários, explicando todos os motivos que levaram a decisão de iniciar o gerenciamento de ponto na empresa. 

Isso mostra para eles que o objetivo não é controlar e vigiar os funcionários, mas sim dar mais segurança para eles e para a empresa, além de evitar erros nas folhas de pagamento e realizar a remuneração correta de horas extras. 

Já que estamos falando sobre isso, nós temos um artigo sobre como engajar o funcionário no controle de ponto. A leitura dele é super recomendada!

Fechando nossa conversa

Vamos ser bem sinceros com você agora: a vida é curta demais para gastar um tempão fazendo anotações manuais de controle de ponto, e ainda mais tempo resolvendo os problemas que acontecem por não ser automatizado, por exemplo.  

Como você pode perceber, a tecnologia inserida na gestão de recursos humanos facilita muito as coisas, automatizando processos e reduzindo os erros que passam despercebidos manualmente. 

Então, quando for escolher o controle de ponto para a sua empresa, tenha em mente que a TiqueTaque é uma solução que resolve, de ponta a ponta, a gestão de jornada: um software de gestão completo, com cálculo automático de horas extras (inclusive com valores!) com mais de 20 relatórios de gestão disponíveis; o aplicativo para funcionários mais modernos e também para os externos, e o relógio digital, desenvolvido com tecnologia nacional, antifraude, compacto e portátil.

A gente aborda a legislação do controle de ponto com mais profundidade nesse artigo aqui. Então, recomendo a leitura para que você fique expert em gestão de jornada.

E aí, entendeu como funciona e as formas de registro de ponto? Se tiver dúvidas ou comentários, conta aqui pra gente! 🙂


A TiqueTaque é uma solução intuitiva e moderna para gerenciamento de ponto e jornada de trabalho. Desenvolvemos um relógio de ponto próprio, compacto, baseado em Internet das Coisas, e que junto com o nosso Aplicativo e Software de Gestão resolvem de ponta a ponta a gestão de ponto no Brasil.

RH Tech: o que é e porque está revolucionando o RH
Escala de trabalho e jornada: guia completo

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado / Campos obrigatórios não foram marcados*