Golpes Virtuais: como se proteger nesse fim de ano?

Com a chegada das festividades de fim de ano, consumidores e varejistas já vêm se preparando para uma época de aumento nas vendas online e offline. Mas, infelizmente, nem tudo são flores. Essa época do ano também é um período conhecido pelo aumento no número de golpes e para isso, os criminosos virtuais também já estão preparados. Segundo dados da Kaspersky, o Brasil é em 2021 o país mais atacado no mundo, com 15,4% dos usuários tendo sofrido pelo menos uma tentativa de golpe. Por isso, listamos os mais comuns e separamos uma lista de dicas para te ajudar a estar sempre atento. 

Que tal conhecer um pouco mais a fundo esses golpes e aprender como se proteger deles?

Golpes Virtuais

A internet é cada vez mais utilizada para os mais diversos fins e esse processo de digitalização foi muito acelerado pela pandemia. Na prática, tudo deveria ser mais fácil, rápido e seguro, mas, todos nós sabemos que os ambientes virtuais também estão sujeitos ao desenvolvimento de fraudes.Não são raros os casos de pessoas que passaram por tentativas ou mesmo foram vítimas de algum golpe virtual. 

Um estudo da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito, indica que, 6 em cada 10 consumidores caíram em golpes financeiros entre julho de 2020 e julho de 2021. Já o levantamento da Kaspersky mostra que os criminosos criaram mais de 5 mil sites falsos para roubar dados nesse mesmo período.

Quais os golpes mais comuns?

A tecnologia e os métodos de segurança seguem evoluindo mas, a criminalidade também se atualiza e novos golpes surgem a cada dia, por isso, é preciso ficar atento para não cair. Abaixo listamos os principais golpes virtuais e no que eles consistem.

  • Perfil Falso

Nessa técnica, os criminosos se passam por lojas, vendendo produtos que não existem. A dica é sempre desconfiar de promoções e descontos imperdíveis. Nos casos de produtos com preços bons, também é comum na hora do pagamento haver um campo para colocar a senha da conta do banco. Apesar de parecer algo óbvio de não fazermos, pessoas mais distraídas ou apressadas, costumam cair nesse golpe.

  • SMS

Os criminosos utilizam o SMS para pedir atualizações cadastrais em bancos, com links que levam para páginas falsas para assim, conseguir dados pessoais. O ideal é sempre suspeitar de links enviados por desconhecidos, principalmente se for algo que você não solicitou. Em caso de suspeita, procure um canal oficial do seu banco e entre em contato. Jamais forneça senha ou dados pessoais para quem você não conhece.

  • Whatsapp

Esse tornou-se um dos mais populares na pandemia. O golpe de “clonar” o WhatsApp acontece quando os bandidos tentam se passar por uma pessoa conhecida, pedindo uma transferência bancária de urgência. Neste caso, sempre faça contato com a pessoa por outro meio, para confirmar se o pedido é real.

  • Catfishing
  • Este tipo comum e que com certeza você já deve ter escutado alguma história: o golpe de Catfish se dá quando uma pessoa mal-intencionada se passa por outra com o propósito de enganar a vítima emocionalmente e/ou financeiramente. Neste tipo de fraude, o criminoso cria um perfil falso em redes sociais com o intuito de aplicar golpes. O Catfish pode, inclusive, evoluir para casos mais sérios de extorsão, phishing (leia abaixo) e ações offline, como roubos e sequestros.

    Phishing: o que é e como se proteger?

    O Phishing é um crime virtual em que as pessoas são contatadas através de e-mail, telefone, sms ou Whatsapp por outra pessoa ou “empresa”. Esse contato desde o princípio tenta se mostrar como algo genuíno, para atrair e induzir o contactado a fornecer informações sigilosas como dados bancários, cartões de crédito, senhas e outras informações confidenciais.

    Ou seja, os criminosos jogam um isca e a vítima “morde”, por isso o termo phishing, que é derivado do inglês fishing, que significa pescar. 

    Ao compartilhar estas informações, as pessoas têm sua conta e cartão violados, e podem ser vítimas de crimes de falsa identidade ou perder dinheiro através de transações financeiras indesejadas.

    E como se proteger?

    O essencial para se proteger dos golpes virtuais é a atenção. Desconfie de links suspeitos, de pedidos estranhos ou de contatos desconhecidos. Sempre confira o endereço dos sites quando for realizar uma compra online, já que alguns golpes consistem em criar cópias falsas de sites para obter informações de cartões de crédito.

    Sempre verifique o remetente dos e-mails recebidos e desconfie se for alguma solicitação que você não fez, como por exemplo uma mudança de senha ou algo do gênero. Sempre utilize os meios oficiais do Banco (de preferência App) para verificar a procedência. 

    “Quando a esmola é grande, o Santo desconfia.” Essa célebre frase da cultura popular brasileira resume bem um dos cuidados que devemos ter. Desconfie de preços absurdamente vantajosos ou de descontos muito fora do comum.

    Como denunciar os golpes virtuais?

    1. Colete evidências

    Salve o máximo de provas que conseguir, seja e-mails, print screen das telas e preserve conversas dos aplicativos de mensagens. Guarde esses arquivos – de preferência na nuvem e mais um local, uma pasta do seu próprio computador ou celular, por exemplo. Se possível, chame alguém de sua confiança para acompanhar e testemunhar todo o procedimento.

    Nessa etapa, é importante juntar material que comprove a existência do fato. Mesmo que o criminoso delete o post, conversas, ou qualquer tipo de conteúdo relacionado ao golpe.

    2. Registre as informações

    O próximo passo é dirigir-se ao cartório mais próximo para registrar uma ata notarial. Esse instrumento declara a veracidade de documentos e fatos digitais. Há um custo por página, mas não se intimide com os valores. O trâmite será necessário para que os arquivos reunidos sejam usados como provas numa ação judicial.

    3. Faça um boletim de ocorrência

    Crimes digitais são tão reais quanto os crimes tradicionais. Portanto, dirija-se à delegacia ou faça um boletim de ocorrência online para registrar o caso.

    Em resumo, o melhor a se fazer para se proteger da grande maioria dos golpes virtuais é ter atenção e bom senso e em caso de qualquer desconfiança, não hesite em procurar uma pessoa de confiança que entenda mais do assunto para te ajudar, o golpe tá aí, mas não vamos cair, tá? 

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Enter Captcha Here : *

    Reload Image